RSS

>Entrevista- A Noruega me abraçou, sim ou não?

06 jun

>

Entrevistando: Luciana Håland

Hoje, entra no ar o quadro “A Noruega me abraçou, sim ou não?”

Explicando melhor o Quadro:

há algum tempo venho recebendo e-mails de brasileiros interessados em saber como é a vida na Noruega, como também sou nova por estas bandas acabo não tendo muito que contar, desse modo resolvi convidar algumas brasileiras que moram aqui há mais tempo para enriquecer-nos com suas experiências.


Essa enquete será postada todas as segundas-feiras.

E é com muita alegria que recebemos a nossa primeira entrevistada.

Luciana Håland, Mora em Sandnes– Noruega, é autora do blog Pensamentos Desatados para conhecê-lo clique aqui.


Desde já quero agradecê-la pelo pronto atendimento e dedicação em mostrar-nos sua experiência de forma sincera (Respondeu o questionário rapidinho).

Veja entrevista:

2. Quantos anos você tem?

38 quase 39 anos.

3. Onde você nasceu e cresceu?

Eu nasci em Caicó, no interior do RN, aos 17 anos mudei pra Natal.

4. Há quanto tempo você reside na Noruega? Quando surgiu a ideia de mudar de região?

Resido na Noruega há 5 anos. Na verdade não surgiu uma ideia de mudar, mas de casar. Conheci meu marido pela internet, vim para cá em 2006, resolvemos casar depois de 15 dias e aqui fiquei.

5. Como foi a sua adaptação no país logo depois da chegada?

A adaptação foi fácil, normal. Cheguei na primavera, estava tudo lindo. Gosto daqui, gosto de frio, então não passo sufoco no inverno. Como qualquer coisa e gosto de novidades, faço amizades facilmente. A única coisa difícil mesmo é aprender norueguês.

6. Você mora sozinho ou com sua família na Noruega?

Eu moro com meu marido.

7. Você trabalha na Noruega? Em caso positivo, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor? Descreva um pouco de sua experiência:

Não trabalho, mas sei que quando começar vou mudar de área. Era advogada no Brasil e aqui meu diploma não é 100% reconhecido, posso até tentar trabalhar nessa área, não como advogada, mas algo relativo ao direito, isso depois de dominar totalmente o norueguês, mas pretendo trabalhar com outras coisas, inclusive algo que não seja tão estressante, mas o que seria isso ainda não sei. Por enquanto estou estudando o que pode surgir de oportunidade.

8. Durante esse tempo de estadia nessa terra dos Vikings cite cinco principais diferenças que você observou entre o Brasil e a Noruega (Pós e contra):

Olha, essa parte é a mais complicada pois sou péssima em comparar, mas eu diria que o clima, claro, pois eu venho de uma região do Brasil bem quente e aqui é bem frio, acho positivo o clima daqui, pois detesto calor. Outra coisa é poder apreciar as quatro estações que são bem definidas, quer dizer, quase, pois na região da Noruega que moro os verões tem sido frios e chuvosos, vamos ver este ano.

Aqui a burocracia é mais fácil de lidar e mais ágil do que no Brasil.

Bom, não consigo chegar a cinco diferenças. Comida, pessoas e idioma não vale à pena mencionar porque comida a gente come em casa o que eu comia no Brasil, as comidas tradicionais norueguesas só rolam de vez em quando, assim como era no Brasil. Gente é igual em todo canto, gente boa, gente ruim, gente chata, legal… Por enquanto só tenho me deparado com noruegueses legais, mas já ouvi um tanto de histórias diferentes da minha. Idioma cada lugar tem o seu nem que seja repetido.

9. Como os brasileiros são vistos na Noruega? Você acredita, que existe preconceito, Eles respeitam os expatriados/imigrantes em geral

Eu acredito que os brasileiros são bem vistos aqui e que são respeitados sim, pelo menos os que se dão ao respeito. Preconceito existe em toda parte do mundo, assim como racismo, mas inclusive acho os noruegueses (os que conheço) muito abertos e nada racistas. Racismo mesmo eu presenciei e muito aqui na escola pra imigrantes, entre imigrantes, e realmente muito mais no Brasil do que aqui.

10. Você fala a língua Norueguesa? Você acredita que é importante aprender a língua local, ou dá pra se virar com o inglês?

Eu falo um norueguês básico, ainda muito longe de ser um bom norueguês e mais ainda do que um norueguês fluente. Dá pra se virar no inglês, mas se virar somente, porque pra trabalharmos na maioria dos casos eles exigem o norueguês, a não ser que a pessoa tenha uma especialização/qualificação que aqui seja muito necessária, como no caso de algumas engenharias, por exemplo, aí dá pra conseguir emprego somente com o inglês. Eu acho importantíssimo aprender a língua local, além de necessário, para trabalhar, para viver em sociedade, para entender o que está acontecendo ao nosso redor. Por mais boa vontade que os noruegueses tenham, chega uma hora que eles preferem falar a língua deles e não mais o inglês, nas reuniões sociais/festas, então para a gente não ficar boiando total e entrar muda e sair calada, o norueguês se faz necessário. Assim como quem tem filhos para acompanhar reuniões nas creches e escolas.

11. Sente saudades da família no Brasil e de outras iguarias?

Da família sim, clara, mas de iguarias não.

12. Você Pretende viver na Noruega para sempre?

Sim.

13. As maiorias dos brasileiros vão para o exterior atrás de melhores oportunidades de emprego, e consequentemente uma melhor qualidade de vida. No seu caso, qual o motivo que o levou a morar na Noruega?

O único motivo que me fez vir pra cá foi meu marido.

14. Como você acha que teria sido a sua vida se não tivesse imigrado?

Acho que hoje estaria ganhando mais do que quando vim pra cá, ou talvez feito um concurso público, quem sabe passado e seria funcionária pública. Morando sozinha e provavelmente solteira, pois no Brasil nunca achei ninguém que combinasse comigo, ninguém com quem eu realmente quisesse casar.

15. Periodicamente ouço dizer que a saúde na Noruega é precária e quem necessita de exames, tais como ultrassom, eletrocardiograma e etc., necessita esperar meses na fila, como no Brasil. Você já passou por isso? Descreva a sua satisfação:

Eu acredito que a saúde é precária no mundo todo, claro, em alguns lugares tendo dinheiro as coisas se resolvem mais facilmente, quando se dá pra resolver. Aqui, por enquanto, minha experiência tem sido muito positiva, mas a minha saúde é boa, isso ajuda. (risos). Sempre que quero marco consulta fácil no meu médico de base, sem demora, e todas as vezes que solicitei encaminhamento para especialista recebi resposta positiva. Ano passado de uma vez só fui encaminhada pra ginecologista, dermatologista e oftalmologista. Após uma semana eu recebi as cartas com as datas das consultas, o maior tempo de espera era de um mês. O oftalmologista eu desmarquei. No ginecologista faço sempre todos os exames necessários incluindo a ultrassonografia. Esse ano o meu médico de base já avisou que eu tenho que retornar em agosto para fazer um check-up, coisa que eu não fazia no Brasil, mas que ele me cobrou que eu fizesse anualmente.

Por outro lado, vejo vez ou outra nos jornais alguma matéria sobre problemas aqui, como pessoas que morrem antes de conseguirem um tratamento, falta de leitos em hospitais, demora em obterem exames e com isso agravamento da doença…Algo que choca levando em consideração a Noruega ser um país rico que poderia muito bem investir mais nesse setor. Dentista aqui é muito caro e não atende pelo setor público, assim como não há nenhum tipo de incentivo do governo para as medicinas alternativas, então é algo totalmente privado e caro.

16. Você já tem passaporte Norueguês?

Ainda não solicitei meu passaporte norueguês.

17. Resuma a Noruega em uma única palavra.

Calma.

18. Tem algum site, que gostaria de indicar, ou até mesmo seu blog pessoal, para que brasileiros tenha uma ideia de como é viver nesse país nórdico?

O meu blog eu escrevo pouco sobre a Noruega, quero mudar o foco, mas acredito que todos os outros blogs que conheço de meninas que moram aqui estão na sua lista. Sites eu não lembro de nenhum no momento.

19. Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver na Noruega?

Na Noruega ou em qualquer outro lugar do mundo, inclusive quando se mudam de uma cidade do Brasil pra outra… Seja paciente, curioso, aberto a novidades, simples. Não leve/traga na mala carência e arrogância, disso ninguém precisa muito menos num lugar novo. E não compare o atual com o que passou, principalmente depois de um ano, pode ter certeza que de lá de onde você veio tudo já mudou também. Não ache que vai arrasar e fazer sucesso de entrada porque os nativos são todos idiotas, digo isso porque uma vez ouvi de uma brasileira que ela ia pegar um emprego com um cargo alto porque ela tinha nível superior e os noruegueses eram desqualificados, bom, continua a busca e muitas vezes a realidade acaba frustrando e muito quem pensa assim. Também não ache que vai ser a gostosa ou o gostoso do pedaco porque acredita que norueguês é fraquinho e as norueguesas são feias e desengonçadas, bom, a realidade não é bem essa. Mas o principal acredito que é: se livre da carência.

20. Ouve-se dizer que o custo de vida e alimentação na Noruega é altíssimo, e que é impossível adquirir imóveis carros e outros pertences de valor a vista, qual a sua opinião a respeito?

O custo de vida é muito alto mesmo, mas no Brasil, pelo menos em Natal, o custo de vida é alto. Alimentação é muito cara, mas não dá pra fazermos economia nessa área, é importante nos alimentarmos bem, somos o que comemos. Tudo é caro, mas com equilíbrio dá sim para economizarmos e termos uma vida boa e sim, comprarmos imóveis, pelo menos a casa própria, pois é possível financiarmos, assim como no Brasil, e também carros, móveis, viagens, sem muitos exageros, claro.

Anúncios
 

3 Respostas para “>Entrevista- A Noruega me abraçou, sim ou não?

  1. Grace Olsson

    junho 7, 2011 at 15:00

    >eu gosto de Luciana. nenhuma novidade na entrevista dela por que, ela é, de longe ou de perto, uma das únicas brasileiras que vivem na Noruega e que é sincera, nao mente, nao finge e, tbm, nao pula me nosso pescoco no sentido de querer ser entendida.Ela é direta, discreta e sensível. Acho que, no momento, é a única brasileira na Escandinávia que me levou a abrir a guarda, confiar, conversar sobre mim.Talvez por ela pertencer à mesma área que eu, ou, talvez, por ela ter trracos muito fortes da minha própria personalidade.É uma das brasieliras que eu , realmente, desejo que ela brilhe. Por que ela merece.Dias felizes pra ti e para ela, tbm

     
  2. Anonymous

    junho 7, 2011 at 15:04

    >Super interessante a entrevista de Luciana Håland.Anciosa para ler a proxima! :)Gostaria de agradecer a Luciana por transmitir um pouco da sua experiência e a Bete por postar subsidios que nos ajudem a entender e conviver melhor no "mundo" nórtico.Abracos e uma boa semana a todaos!!Nanda

     
  3. Anonymous

    junho 7, 2011 at 18:46

    >Meninas, cheguei por aqui, acho que agora consigo comentar, antes não entrava.Grace, super obrigada pelo seu comentário, e a recíproca você sabe que é verdadeira. Estou sempre torcendo muito por você.Beijo***Nanda, de nadinha, no que eu posso eu sempre ajudo.BeijoLuciana HålandPensamentos Desatados

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: